April 3

As 100 Subidas Mais Difíceis do Brasil para Ciclistas

O Guia das 100 Subidas do Brasil é um projeto que levou quase um ano de intensas pesquisas e escrita para ser concluído. 

Ele é muito mais que uma lista de morros. É um verdadeiro guia para te ajudar a encontrar novos lugares para pedalar, seja na sua região, seja em outras partes do país.

Vamos lá:

Parte 1: Como cheguei aos resultados

São cinco os pontos a se destacar para explicar como cheguei às 100 subidas de bike mais difíceis do Brasil:

  1. O (péssimo) sistema de rankeamento tradicional
  2. A Fórmula
  3. Critérios de exclusão
  4. Strava
  5. Google Maps

Vamos por partes:

1. O (péssimo) sistema de rankeamento tradicional

Se você já viu alguma corrida de ciclismo de estrada, como o Tour de France, deve ter notado que  as subidas são categorizadas da seguinte forma:

• Categoria 4
• Categoria 3
• Categoria 2
• Categoria 1
• Fora de Categoria (HC)

O sistema é levado bem a sério, de tal modo que há até competições paralelas para quem se dá melhor nas subidas - as subidas de categoria 4 dão menos ponto e as de categoria 1 e HC, mais.

No caso do Tour da France, o vencedor leva o prêmio de Rei da Montanha e pode usar a camisa com bolinhas vermelhas. Curiosidade: Rei da Montanha em inglês é King of the Mountain - KOM. Daí a palavra para quem tem o melhor tempo num segmento no Strava.

O problema é que os critérios são mais ou menos os mesmos para as subidas. Se a subida é muito longa e dura e é a penúltima do dia, pode ser uma categoria 1.

Se uma outra é dura e longa mas não tanto quanto a anterior, pode ser uma HC se for a última do dia. A imagem da página seguinte representa bem essa incongruência:

tabela de subidas no tour de france

O gráfico compila todas as subidas do Tour de France de 2007. As subidas em azul claro são aquelas que foram categorizadas como HC naquele ano.

As que estão em preto, como categorias 1. Vermelho, 2. Verde,3. Azul escuro 4.

No entanto, é possível notar também que algumas subidas possuíam características para ser categorizadas de outra forma. A chamada Colombière está na faixa de subidas HC, enquanto a Iseran
está na faixa de subidas 1.

Outro problema que esse sistema não contempla é a superfície das subidas. Observe as duas imagens:

ciclista numa subida difícil de speed no asfalto nas montanhas com bike de estrada felix wong

Vamos dizer que essas duas subidas possuem a mesma inclinação e a mesma distância percorrida. No sistema acima elas seriam de mesma categoria.

Não parece um pouco injusto que subidas de terra, bloquetes, parelelepípedo e de asfalto sejam categorizadas da mesma forma?

Enfim, eu criei meu próprio sistema para categorizar a dificuldade de subidas. Ele foi colocado em prática pela primeira vez quando escrevi o artigo "as 5 subidas mais difíceis do Brasil", em 2016.

Os pesos que dei para a distância e a inclinação foram ajustados, então aquela lista já foi invalidada, mas a lógica por trás da pontuação é a mesma. E veremos agora como a pontuação que foi usada neste Guia funciona.

2. A Fórmula

O que achei mais importante tirar do ranking do Guia foi a questão das categorias. Aqui a pontuação é que manda. 

Se tem 30 pontos então está a frente da que tem 29,9. Não tem mais Categoria 1, 2 ou 3. 

Enfim, os três atributos que quis levar em consideração na fórmula  foram: 

  1. Distância percorrida 
  2. Ganho de elevação 
  3. Tipo de superfície 

A relação da distância com o ganho da elevação já lida também com o  fator da inclinação e, por conta disso, ela não aparece na fórmula. 

Por fim, é somado a esse valor um número fixo arbitrário para o tipo de  terreno em questão. 

Deste modo, ela fica assim: 

Pontuação = (Distância/9000) + (Elevação x 0,02) + Superfície 

A pontuação da superfície é a seguinte: 

  • Pelo menos 90% em terra = 5 pontos 
  • Entre 10% e 90% em terra, asfalto ou outra superfície, como bloquetes = 3 pontos 
  • Pelo menos 90% em asfalto = 1 ponto 

Outra questão importante de ressaltar é que antes de criar a fórmula das subidas mais difíceis, eu analisei as subidas. Assim pude ver se essas porcentagens e pontuação faziam sentido. 

Deste modo, uma subida com 9km de extensão, ganho de elevação de 800m e com estrada toda de terra marcaria 22 pontos. 

Eu também limitei a pontuação até a segunda casa decimal, portanto as subidas não aparecerão com 20,512, por exemplo.  

Se essa for sua pontuação na fórmula, um arredondamento foi realizado. 

Com isso, houve, até de forma um pouco surpreendente, alguns empates em pontuação. O 19º lugar, por exemplo, teve 3 colocadas empatadas.  

O critério utilizado no desempate foi a altitude máxima que a subida  atinge. 

Além da fórmula para rankear as subidas e o do método de desempate, também houveram critérios para determinar se algumas subidas entrariam ou não no ranking, 

A seguir veremos quais critérios foram esses.

3. Critérios de exclusão

Para uma subida entrar no Guia, ela precisava ter respeitado os seguintes critérios: 

A: Pelo menos 5% de inclinação média. 

Como veremos a seguir, a plataforma utilizada para a listagem das subidas foi o Strava.  

Lá existem segmentos que possuem 100km de distância e terminam numa serra alta, e por isso possuem 2% ou 3% de inclinação.  

Isso não é o suficiente para chamar o trecho de subida, mas seria suficiente para ter esse trecho estar em primeiro lugar de forma disparada. 

Esse critério então foi criado para que retas inclinadas não entrassem aqui.  

Observei também que boa parte das subidas de verdade, que não usavam trechos de retas, tinham pelo menos 5% de inclinação média,  então esse foi o número elegido. 

B: Pelo menos 3km de distância.

Há outros segmentos, no entanto, que possuíam mais de 5% de  inclinação, mas uma distância curtíssima. 

Notei que as vezes as pessoas empurram alguns trechos que são próprios para o trekking, como montanhas famosas, e que levam a locais de downhill. 

Esses trechos possuem 1km com 25% de inclinação média. Ninguém consegue pedalar numa subida com essa inclinação. Quando encontrava segmentos assim, logo via a média horária das pessoas que passam por lá no Ranking:

tabela de subidas de bike mostrando velocidade media bem baixa

Resolvi, então, excluir as subidas difíceis com menos de 3km de distância, mesmo porque pelos critérios de pontuação poucas entrariam no top  100.

C: Ter pelo menos 100 pessoas que percorreram. 

É possível ver no Strava também que são criados segmentos de trechos  que foram utilizados uma única vez numa competição, como na foto  abaixo: 

Todos passaram no mesmo dia. Se você abre o registro da atividade do  ciclista, percebe o nome como “Copa MTB”, ou algo do gênero,  claramente fazendo alusão à corrida que passou por aquele segmento.

4. Strava

Sem o Strava nada disso aqui teria acontecido. Foi graças a ele que  consegui montar toda a pesquisa que você lerá em instantes. Para encontrar as subidas, usei a função de pesquisa de segmentos.

E e cidade em cidade, de estado em estado, ia colocando absolutamente todos os segmentos que atendiam os critérios acima numa planilha.

ferramenta de segmentos do strava

E depois de muito tempo (mesmo) esfregando a fuça na plataforma eu cheguei a uma lista das candidatas ao Guia.   Obviamente que depois de analisar milhares de segmentos houveram duplicatas, erros de filtro que deixei passar, entre outros. 

Por fim, veio o trabalho de identificar como os ciclistas da região se  referem àquela subida, pois muitas vezes o nome do segmento não  tinha o mesmo nome do trecho na vida real.  Exemplo: só com o nome “Onde o filho chora e a mãe não vê” eu encontrei centenas:

subidas do strava chamadas onde o filho chora e a mae nao ve

A partir daí, o desafio era identificar exatamente em qual município a  subida se localizava. E é aí que entramos no próximo tópico:

5. Google Maps

O Google Maps foi crucial para duas questões. Em primeiro lugar, como  já mencionei, para descobrir o nome da cidade onde a subida se  encontrava. 

Em segundo lugar, e até mais importante, para identificar qual o tipo de  superfície. Para isso usei o Google Street View: 

E quando a estrada não tinha o Street View, tinha que recorrer às fotos de satélite. Só assim poderia saber qual pontuação dar para o critério Superfície.

Chegamos ao fim de como eu cheguei aos resultados das subidas mais difíceis para ciclistas no Brasil. 

Como usar o Guia

A ideia por trás de criar um guia e não só uma lista é que você possa  utilizar as informações contidas aqui para poder viajar pelas subidas  mais difíceis do Brasil. 

Deste modo, existem algumas informações que coloquei em todas as  subidas presentes nele. São elas: 

A- Encontrando no Strava 

Em todas as subidas haverá um link para você acessar diretamente o  segmento no próprio Strava. 

B- Encontrando no Google Maps 

Coloquei também um link para ir diretamente para o ponto exato onde  o segmento se inicia no Google Maps. A página que abrirá já está no  formato “como chegar” e você pode colocar o ponto de partida  desejado para ver a distância até a subida. 

C- Outros destaques

Algumas subidas possuem destaques regionais, como por exemplo: subida mais difícil do "Rio Grande do Sul", ou "Subida Mais Difícil de Asfalto do Brasil".


Fico feliz que você tenha tido a paciência de ler esse capítulo inicial. Ele  realmente é importante para entender como o Guia foi construído e o  porquê das subidas a seguir estarem na ordem que estão. 

Mesmo com toda essa parafernalha numérica que eu utilizei, queria  reforçar que esse Guia não tem nenhuma ambição científica.  

Eu não sei se a fórmula que utilizei é matematicamente inteligente e  também joguei nos pesos de cada critério a minha própria experiência  pessoal como ciclista, partindo de algumas das subidas que eu mesmo  subi do Guia. 

Existe sim, no entanto, uma pretensão aqui: a de que você se divirta,  que fique sedento por explorar subidas dessa lista que ainda não  conheceu e que gaste a suas marchas mais leves. 

Parte 2: As 100 Subidas Mais Difíceis do Brasil

Enfim chegamos ao objetivo deste guia. Para apresentar as 100  subidas, dividi este capítulo central em quatro: 

• Da 1ª à 20ª - neste trecho entro em mais detalhes das subidas  líderes do ranking 

• Da 21ª à 100ª - falo em mais detalhes apenas das subidas que  gostaria de compartilhar algo de especial que possuem • 

• Menções honrosas - subidas que não entraram na lista por número  de percorridas baixo ou por serem parte de outro segmento maior  da lista 

• Destaques - Mostro alguns pontos que chamam atenção, como as  cidades com mais morros, eventos e rotas famosas que percorrem  subidas da lista, entre outras coisas 

Vamos lá!


Da 1ª a 20ª

1ª - Subida ao Parque Nacional do Itatiaia (Resende – RJ)

Subida do parque nacional do itatiaia garganta do registro
Outros destaques:
  • A mais difícil do Sudeste
  • A mais difícil do Rio de Janeiro
  • O maior ganho de elevação do Brasil
  • Maior distância percorrida do Brasil
Acesse:

Cidade

Resende

Estado

RJ

Distância

35,81km

Inclinação média

5,35%

Ganho de elevação

1914m

Superfície

Terra/Asfalto

Altitude máxima

2362m

Pontuação

45,26

A nossa primeira colocada é a subida para a entrada do Parque Nacional do Itatiaia, vindo pelo Rio de Janeiro. 

Ela é tão primeiro lugar que deixa a próxima subida da lista incríveis 9 pontos atrás. Gigantesca, um passeio de ida e volta até lá gera um pedal de 70

Imagina sair para pedalar com os amigos pedalar 70 quilômetros e pegar apenas uma subida e uma descida, subir uma montanha num ritmo de 10k/h e, sem parar, demorar mais de 5 horas para terminar e, além de  tudo isso, ao chegar no final estar a quase 2400m de altitude? 

Se isso não te convenceu, então olha algo mais absurdo ainda: a estrada que liga à entrada do Parque é também a mais alta do país!

Eu estive lá duas vezes neste ano de 2018. Fomos de carro acampar no Abrigo Rebouças para fazer trilhas a pé por lá. Subida de carro cansou. Imagine pedalando. 

Em certo ponto do trajeto já não há mais árvores devido a grande altitude do local. Apenas mais uma mostra de como a estrada é realmente alta. Na realiadade um dos mais altos do país. 

Para os mais aventureiros, é possível acampar no parque e continuar a explorar as trilhas do Parque a pé - não é permitido pedalar  dentro do PNI. As melhores épocas para tal aventura são os meses mais  secos - e frios - do ano, que vão de Abril até Setembro.  

Há dois outros detalhes importantes a respeito dessa subida. 

O primeiro deles é que há a possibilidade de subir para a entrada do Parque  vindo de Itamonte, pelo lado mineiro da serra. No entanto, metade do  trecho, que começa na Garganta do Registro e termina na entrada do  Parque, é igual para as duas subidas. 

Como o lado fluminense da serra obteve mais pontos e mais percorridas, eu  coloquei ele como o 1º. Mas é fundamental lembrar que o lado de Itamonte ficaria em 2º lugar se fosse considerado uma outra subida. 

De todo modo, suba você por Minas ou pelo Rio vai encontrar um desafio único: pedalar pela subida mais difícil do Brasil. 


2ª - Subida de Paraty a Cunha (Paraty – RJ)

paraty com serra da bocaina ao fundo

Foto: Outdooractive Editors

Outros destaques:
  • 2ª subida mais difícil do Rio de Janeiro
  • 2º subida mais difícil do Sudeste
  • 2ª subida mais difícil do Brasil
Acesse:

Cidade

Paraty

Estado

RJ

Distância

17,03km

Inclinação média

8,83%

Ganho de elevação

1504m

Superfície

Bloquetes

Altitude máxima

1525m

Pontuação

34,97

A segunda colocada no pódio do  Guia é a subida da serra de Paraty para Cunha. Naquele artigo que publiquei em 2016 ela estava na  primeira colocação, porém perdeu a posição para a subida ao PNI com a nova fórmula. 

Mas ela não deixa barato: com quase 9% inclinação e mais de 17km de  extensão, a subida da serra de Paraty é mais íngrime que o Alpe d’Huez e quase com o mesmo ganho de elevação do Mont Ventoux, ambos do Tour de France. 

Coloque na conta da estrada o fato dela estar numa região úmida e quente por natureza, ser toda de bloquetes (e até há poucos anos toda  de terra) e temos um monstro de subida.

Eu estive lá duas vezes neste ano de 2018. Fomos de carro acampar no Abrigo Rebouças para fazer trilhas a pé por lá. Se até mesmo a subida de  carro é cansativa, imagine pedalando bike. 

Estive lá, descendo, em 2005 e não me lembro de ter descido por tanto  tempo como na estrada de Paraty - Cunha. A estrada também é famosa por outro motivo: ela é uma das possíveis rotas  finais da Estrada Real, que vem de Minas Gerais. 

Deste modo, esteja você procurando uma montanha abissal para pedalar ou  um trajeto de cicloturismo incrível, a subida da serra de Paraty será uma  atração incrível. 


3ª - Subida da Serra da Bocaina (São José do Barreiro-SP)

sao jose do barreiro


Outros destaques:
  • Subida mais difícil de São Paulo
  • Subida toda de terra mais difícil
    do Brasil
Acesse:

Cidade

São José do Barreiro

Estado

SP

Distância

20,34km

Inclinação média

5,93%

Ganho de elevação

1207m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1727m

Pontuação

31,40

Não vamos sair da Serra do Mar tão cedo. Próxima da lista e fechando o pódio aparece a subida da Serra da Bocaina, em São José do Barreiro, São Paulo.

Menos íngreme e com menos ganho de elevação que a anterior, essa serra tem no entanto outro desafio:
é a primeira a aparecer na lista com sua superfície toda em terra.

Outro destaque: ela também é uma das duas únicas subidas de nossa lista com mais de 20km de extensão. Reforçando: 20 quilômetros em uma única subida!!

Saindo de apenas 520 metros em relação ao nível do mar e terminando em incríveis 1727 metros, a subida desta serra não deixa a desejar em nenhum critério.

Outro ponto muito interessante de reforçar é que toda a região da subida - a Serra da Bocaina - é um esplendor para cicloturismo e viagens de bike. Com muito o que ver nesta rica região da Serra do Mar, o que certamente não faltará é subida

Outros destaques:
  • Subida mais difícil de São Paulo
  • Subida inteira em terra mais difícil do Brasil
Acesso:

4ª - Estrada das Pedrinhas - Gomeral (Guaratinguetá-SP)

Gomeral_-_Guaratinguetá
Outros destaques:
  • A mais difícil do Sudeste
  • A mais difícil do Rio de Janeiro
  • O maior ganho de elevação do Brasil
  • Maior distância percorrida do Brasil
Acesse:

Cidade

Guaratinguetá

Estado

SP

Distância

12,99km

Inclinação média

9,15%

Ganho de elevação

1188m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1886m

Pontuação

30,20

Essa talvez seja uma das subidas da lista mais conhecida como descida que subida. Afinal, é possível finalizar a popular rota de romeiros do Caminho da Fé descendo a Estrada das Pedrinhas e chegando à Aparecida do Norte.

Há outros pontos para observar e entender o quanto essa subida é dura: é a segunda subida com a maior inclinação do top 10, a segunda mais difícil de terra de todo o país e chega a incríveis 1886 metros de altitude máxima.

Há trechos bastante técnicos na descida também, que conta com paisagens deslumbrantes do Vale do Paraíba.

Não é muito comum utilizar a Estrada como subida, porém, se feito, há rotas interessantíssimas de pedais a partir do topo. Campos do Jordão, Brazópolis, São Bento do Sapucaí, Santo Antônio do Pinhal... cidades incríveis da Serra da Mantiqueira que ainda aparecerão em nosso ranking mais adiante.

Para regressar ao início da subida, há como voltar pela bela subida da serra de Wenceslau Braz, em Minas, chegando em Piquete, ou pela própria descida de Campos do Jordão. 

Tenha você um destino depois da subida da Estrada das Pedrinhas ou apenas a ambição de subir a serra, certamente encontrará um grande desafio ciclístico pela frente.


5ª - Pedra de São Domingos (Córrego do Bom Jesus-MG)

 Pedra de São Domingos
Outros destaques:
  • Subida mais difícil de Minas Gerais (desconsiderando a subida mineira para o Itatiaia)
  • 3ª subida toda de terra mais difícil do Brasil
Acesso:

Cidade

Córrego do Bom Jesus

Estado

MG

Distância

12,98km

Inclinação média

8,63%

Ganho de elevação

1120m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1936m

Pontuação

28,84

Chegamos à Córrego do Bom Jesus, ou Corguinho, para os mais chegados. 

E é aqui, na quinta subida mais difícil do País e segunda mais dura de Minas Gerais, que subiremos por até quase 2 mil metros de altitude.

A subida da Pedra de São Domingos, que ainda tem mais um trecho com a bike nas costas para chegar ao topo, possui uma vista de encher os olhos. Eu morei por um ano a 15km da Pedra, e foi um dos anos em que mais subi de bike na vida. 

As cidades próximas de Gonçalves e Camanducaia, com o distrito de Monte Verde, possuem vários picos e pontos acima dos 2000 metros de altitude em relação ao nível do mar.

Na subida para nossa quinta colocada não é raro pedalar por trechos insistentes de mais de 20% de inclinação, tornando o alcance ao cume uma empreitada desafiadora.

Sugestões de pedais a partir da Pedra não faltam.

Continuar Mantiqueira adentro pode é um convite tentador. No próprio município de Córrego do Bom Jesus, inclusive, está uma subida que estaria em 50a no Guia não fosse o baixo número de percorridas, como veremos mais adiante. 

Vale ressaltar que ainda estamos no top 5 e a Pedra de São Domingos é a terceira colocada no estado de Minas Gerais. Ô estado pra ter morro, sô. 

6ª - Serra da Rocinha (Timbé do Sul-SC)

538ª_Trilha_-_Travessia_Serra_do_Rio_do_Rastro_SC_x_Serra_da_Rocinha_RS_013_(25827514054)

Foto Viagensecaminhos.com

Outros destaques:
  • Subida mais difícil de de Santa Catarina
  • Subida mais difícil da região sul
Acesso:

Cidade

Timbé do Sul

Estado

SC

Distância

14,21km

Inclinação média

7,19%

Ganho de elevação

1022m

Superfície

Misto

Altitude máxima

1221m

Pontuação

27,02

Saímos do Sudeste rumo ao estado de Santa Catarina. E como você verá ao longo do Top 100, voltaremos aqui novamente. Aliás, a Subida da Serra da Rocinha, em Timbé do Sul, além de líder no estado, puxa a fila para mais vinte subidas catarinenses do Guia.

Ela não só é uma das poucas com mais de 1000 metros de ganho de elevação no Brasil, como também chama atenção por ter 14 quilômetros de extensão e paisagens dignas de cartão postal.

Extender um convite para cicloturismo na região seria redundante. Ao subir o morro, o ciclista se encontrará no Rio Grande do Sul, pronto para percorrer tanto a região Gaúcha como Catarinense da serra.

Cidades que vemos frequentemente com as temperaturas mais baixas do Brasil são encontradas lá em cima, como São Joaquim, em SC, e São José dos Ausentes, no RS.

O trecho da subida da Serra é o único ainda não asfaltado da estrada. 

Portanto se você gosta de um pedal off-road, não perca tempo e vá percorrer a Rocinha enquanto dá pra sujar a bike de barro.


7ª - Serra do Corvo Branco (Grão Pará-SC)

Paisagem_na_Serra_do_Corvo_Branco
Outros destaques: 
  • 2 subida mais difícil de de Santa Catarina
  • 2 subida mais difícil da região sul
Acesso:

Cidade

Grão Pará

Estado

SC

Distância

11,91km

Inclinação média

8,53%

Ganho de elevação

1016m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1263m

Pontuação

26,64

A subida da Serra do Corvo Branco fica logo atrás de sua companheira catarinense, a subida da Rocinha. Na verdade, menos de meio ponto separam as duas. 

E não é por acaso: ambas fazem um percurso parecidíssimo de subir a Serra Catarinense do litoral para o interior. 

Se um dos critérios de avaliação fosse beleza, a Serra do Corvo Branco provavelmente estaria no pódio. Um visual absolutamente belo, estrada em caracol, passagens por meio de desfiladeiros e muita vegetação nativa.

Assim como a subida anterior, a Serra do Corvo Branco tem problemas de manutenção e de adiamento da pavimentação que já dura algum tempo. No momento em que esse livro é publicado ainda não há previsão concreta de melhorias da rota que conecta Grão Pará a Urubici.

Vale ressaltar que quando a obra de pavimentação for concluída a subida cairá para o 14º Lugar. 

Para os cicloturistas também não faltam opções ao subir a serra. Pode-se descer a serra pelo Rio do Rastro, ou mesmo seguir para o interior do estado, até a fria e bela cidade de Lages


8ª - Serra do Faxinal (Praia Grande - SC)

Foto: viagensecaminhos.com

Outros destaques:
  • 3ª subida mais difícil de Santa Catarina
  • 3ª subida mais difícil da região Sul
Acesso:

Cidade

Praia Grande

Estado

SC

Distância

13,87km

Inclinação média

6,81%

Ganho de elevação

945m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1008m

Pontuação

25,44

Voltamos para a Serra Catarinense pela terceira vez seguida! A Serra do Faxinal é a primeira da lista a não contar com mais de 1000m de ganho de elevação. Isso, no entanto, não a torna fácil.

Com quase 14 quilômetros de subida por estradas de terra e quase 7% de inclinação, a Serra não está entre as 10 primeiras a toa. Ao terminar a subida você já estará no Rio Grande do Sul.

Além disso, a subida se encontra numa região única por estar no meio de dois dos pontos turísticos mais atraentes do país: O Parque Nacional de Aparados da Serra e o Parque Nacional da Serra Geral.

Com cânions e desfiladeiros, como o Itaimbezinho, e trilhas incríveis, como a do Rio do Boi, marcar um pedal na região torna quase obrigatória uma passada por esses pontos. Talvez as fotos que incluí aqui te animem.

Se não der tempo, pelo menos aproveitar a viagem e ir pedalando até Cambará do Sul, já do lado
gaúcho da serra, e passar pelas belas estradas de terra da região.

Eu vou te confessar que estava resistindo bem até aqui, mas essa subida amoleceu meu coração
ciclístico e a vontade de pedalar pela Serra do Faxinal é grande.


9ª - Serra dos Marins (Piquete - SP)

1024px-Pico_dos_Marins_e_Marinzinho

Foto: Frederico Tomas de Souza e Miranda

Outro destaque:
  • 3ª subida mais difícil de São Paulo
Acesso:

Cidade

Piquete

Estado

SP

Distância

12,77km

Inclinação média

7,05%

Ganho de elevação

900m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1444m

Pontuação

24,42

A nossa nona colocada talvez carregue um nome muito mais conhecido no meio do trekking e trilhas a pé que de bike. A serra que sobe de Piquete até a divisa do estado é comumente usada para quem vai escalar o Pico dos Marins, ou mesmo fazer a popular travessia Marins x Itaguaré.

Fato é que até subir a serra de carro não é tarefa fácil.

A subida também é uma das poucas do ranking com mais de 900 metros de ganho de elevação, além de ter mais de 12 quilômetros de extensão e 7% de inclinação média, sendo que o trecho da metade para frente atinge pontos muito mais íngremes que isso.

Para os que buscam uma aventura de bike, o lado mineiro do morro tem muitas opções para você continuar pedalando. É possível descer para Marmelópolis, Virgínia e Passa Quatro, ou voltar para
Delfim Moreira e Wenceslau Braz.

Independente do sentido que você tomar, vai ter que encarar a terceira subida mais difícil do estado de São Paulo antes de chegar lá.


10ª - Pico da Ibituruna (Governador Valadares - MG)

Pico_da_Ibituruna_vista_do_bairro_Santo_Agostinho

Foto: Joel Márcio

Outro destaque:
  • 2ª subida mais difícil de Minas Gerais
Acesso:

Cidade

Governador Valadares

Estado

MG

Distância

8,41km

Inclinação média

10,69%

Ganho de elevação

899m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1076m

Pontuação

23,91

Voltamos ao estado de Minas Gerais para mais uma montanha absurdamente íngreme e longa. O Pico da Ibituruna fica localizado em Governador Valadares, no vale do Rio Doce.

Com uma inclinação que bate na casa dos 11% e com praticamente 900 metros de ganho de elevação, subir o Pico não é tarefa fácil. 

Com sua enorme formação rochosa que se destaca na paisagem de Governador Valadares, subir o Pico é convite também para apreciar uma vista impressionante da região.

A subida é ponto conhecido dos bikers da região, com quase 500 percorridas únicas.

Se estiver com tempo e não tiver um risco de colapso por medo de altura (caso do escritor que vos fala) vale subir com apoio de carro - a estrada dá para carros até o topo - e descer saltando com a tradicional asa delta ou parapente.


11ª - Subida da Serra Nova de Campos do Jordão (SP)

Campos_do_Jordão,_o_Portal

Marco Ankosqui/MTur.

Outro destaque: 
  • Subida de asfalto mais difícil do Brasil
Acesse:

Cidade

Campos do Jordão

Estado

SP

Distância

19,81km

Inclinação média

5,09%

Ganho de elevação

1009m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

1651m

Pontuação

23,38

Apesar de ser a primeira subida de fora do top 10 temos, ocupando a 11ª posição, a subida da Serra De Campos do Jordão pela estrada “nova” lidera em outro quesito: é a subida inteira de asfalto mais difícil
do Brasil.

A serra é tão longa que seria também a terceira no quesito distância percorrida, com quase 20 quilômetros de extensão. Também é uma das nove subidas da lista toda a apresentar mais de 1000 metros de ganho de elevação.

Outro ponto legal de se observar sobre a subida de Campos do Jordão é sua popularidade: o segmento entre o começo e o final da Serra é o sexto mais percorrido do Guia, com 2448 ciclistas com o Strava ligado tendo passado por lá.

Além de todos esses números da subida em si, ao chegar na cidade paulista você também estará dentro de outro recorde brasileiro.

Campos possui a sede de cidade mais alta do país, com 1628 metros acima do nível do mar.

Ao chegar em Campos você também estará numa pólo turístico nacional. Lá tanto os amantes de passeios mais requintados e culturais como os de aventura terão muito o que fazer.

Para quem quer aproveitar a subida para pedalar, não faltará roteiros.

A região possui algumas das melhores redes de trilhas de mountain bike do Brasil, além de também ser a casa do Zoom Bike Park que mantém e abre novas trilhas para os mountain bikers.

Se você quer continuar com a speed, há inúmeras outras rotas a serem seguidas. Descer até São Bento do Sapucaí pela estrada velha e subir novamente pela subida do Paiol (que entrou no Guia) é um pedal espetacular. Você verá paisagens incríveis da Mantiqueira, como a Pedra do Baú, além de subir muitos morros de bike.

É importante reforçar, porém, que a estrada fica muito movimentada em algumas épocas do ano, principalmente no inverno e em finais de semana. Além disso, não é nada raro a serra ter trechos de neblina pesada.

Portanto, prefira ir em dias de menor movimento, bem sinalizado e confira a previsão do tempo para não passar nenhum sufoco na subida.


12ª Barra do Ouro* (Maquiné-RS)

Foto: Cristiano Eluno

Outro destaque:
  • Subida mais difícil do Rio Grande do Sul
Acesso:

Cidade

Maquiné

Estado

RS

Distância

12,33km

Inclinação média

6,70%

Ganho de elevação

826m

Superfície

Terra

Altitude máxima

905m

Pontuação

22,89

E pela primeira vez chegamos ao Rio Grande do Sul. A subida mais difícil do estado fica relativamente próxima de Santa Catarina. 

No entanto, diferentemente das catarinenses que já vimos no ranking e que chegam perto do Rio Grande do Sul, a subida em Maquiné é toda Gaúcha.

*Eu pesquiso bastante para tentar descobrir exatamente como os ciclistas da região se referem à subida em questão. Nesse caso, e em alguns outros mais adiante, não consegui. Deste modo, a chamarei de Subida em Barra do Ouro. 

Se você puder me ajudar a descobrir o nome da subida, por favor deixe nos comentários.

Começando muito próximo do litoral, e portanto a apenas 79 metros de altitude, a subida chega a incríveis 905 metros, ganhando mais de 800 metros em elevação. 

Subir a dura serra leva você por meio de cachoeiras, vistas maravilhosas e curvas que serpenteiam a montanha


13ª - Serra de Luminosa (Brazópolis-MG)

Outros destaques:
Acesse:

Cidade

Brazópolis

Estado

MG

Distância

7,49km

Inclinação média

11,26%

Ganho de elevação

843m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1725m

Pontuação

22,69

Voltamos ao Caminho da Fé para uma das subidas mais popular do mountain bike e cicloturismo no Brasil: a famigerada Serra de Luminosa, na cidade de Brazópolis em Minas Gerais.

Eu digo “popular” não é à toa. A subida possui, no momento em que eu atualizo o guia, em 2023, mais de 33 mil registros de atletas no Strava que passaram lá - a subida mais popular do guia!

Outro ponto de destaque é sua inclinação. Com 11,26% de média, a subida de Luminosa é a 9a colocada dentre todas as subidas. Entretanto, não é por ser íngreme que ela é curta. Seus 7,5km de extensão é coisa para poucos e dá ainda mais significado ao nome do caminho que a abriga.

Luminosa, que é distrito de Brazópolis, possui mais montanhas nos arredores. É através dessa estrada especificamente que se chega a Campista, em Campos do Jordão, cidade que vimos há pouco e de região que veremos mais vezes no ranking.

Outro fato que faz boa parte dos ciclistas temerem a serra de Luminosa é por já estarem há alguns dias na rota do Caminho da Fé, além de muitos partirem morro acima carregando algum tipo de bagagem da cicloviagem.

Com ou sem bagagem, encarar um morro com mais de 800m de ganho de elevação e mais de 11% de inclinação não é tarefa pra qualquer um.


14ª - Pico do Gavião (Andradas - MG)

1024px-Pico_do_Gavião

Foto: Jean Bovo

Cidade

Andradas

Estado

MG

Distância

11,67km

Inclinação média

6,85%

Ganho de elevação

799m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1634m

Pontuação

22,28

Ainda em Minas Gerais, chegamos em outra região repleta de montanhas e longas subidas. Próximo de Poços de Caldas, na cidade de Andradas, encontramos o Pico do Gavião. O Pico, que é famoso por seus saltos de asa delta e parapente tem um visual incrível e acesso relativamente tranquilo.

O que não é tranquilo é sua subida com mais de 11km de extensão e com ganho de quase 800 metros de elevação. É importante dizer que a subida também pode acontecer pelo lado paulista da serra, vindo por Águas da Prata.

As subidas de MG e SP se encontram em um certo ponto, porém a que vem de Águas da Prata não entrou no ranking por ter inclinação média de menos de 5%. Os trechos que tinham os critérios para entrar no Guia simplesmente não tiveram pontuação para estar com as 100 primeiras.


15ª - Morro das Antenas (Jaraguá do Sul - SC)

Morro_das_Antenas

Cidade

Jaraguá do Sul

Estado

SC

Distância

6,42km

Inclinação média

12,79%

Ganho de elevação

821m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

852m

Pontuação

22,13

Enfim, chegamos ao que considero “A capital dos morros” no Brasil. O Morro das Antenas, localizado em Jaraguá do Sul, puxa a fila de outras quatro subidas que também ficam na cidade catarinense. Sim, só Jaraguá do Sul tem cinco subidas na lista.

Jaraguá é um lugar muito tranquilo. O que não é tranquilo é sua subida com mais de 11km de extensão e com ganho de quase 800 metros de elevação.

Falando do Morro das Antenas especificamente, temos um monstro com quase 13% de inclinação média e ganho de elevação que passa da casa dos 800 metros.

A subida figurava antigamente entre as 5 mais difíceis, até que eu criei uma fórmula um pouco mais bem trabalhada e ela perdeu algumas posições. Mesmo assim, subir o Morro não é fácil. 15a colocada e 1a em uma região repleta de montanhas duras


16ª - Serra do Vulcão (Nova Iguaçu - RJ)

1024px-Nova_Iguaçu_visto_da_estrada_Jardim_Iguaçu_-_panoramio_(2)

Foto: Daniel Nonato

Cidade

Nova Iguaçú

Estado

RJ

Distância

6,55km

Inclinação média

12,50%

Ganho de elevação

819m

Superfície

Terra

Altitude máxima

862m

Pontuação

22,11

A cidade do Rio de Janeiro é repleta de montanhas e colinas dignas de filme. Porém não é exatamente na cidade carioca que iremos para a 16ª colocada, e sim para Nova Iguaçu, na
região metropolitana.

Com absurdos 12,5% de inclinação média em uma subida que levará o ciclista praticamente do nível do mar a mais de 800m de altitude, a Serra do Vulcão se destaca na paisagem da região.

Ao chegar ao topo, além da visão privilegiada, o ciclista também encontrará a tradicional rampa de vôo livre para asa deltas e parapentes.


17ª - Subida em Passa Quatro * (MG)

Cidade

Passa Quatro

Estado

MG

Distância

10,17km

Inclinação média

7,77%

Ganho de elevação

790m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1730m

Pontuação

21,93

Como vimos, Jaraguá do Sul é a cidade com mais morros de toda a lista. Ma se tivéssemos que chamar atenção para outra região com uma quantidade insana de subidas difíceis teríamos que falar do Sul de Minas e a Serra da Mantiqueira.

Deixei uma sessão no final apenas para essa região, mas por enquanto vamos a subida da vez, que fica na pacata e cinematográfica Passa Quatro.

*Eu não consegui achar o nome da subida da forma como os ciclistas da região a chamam, por isso deixei “Subida em Passa Quatro”, mesmo sabendo que a cidade aparecerá mais uma vez na lista. Se você souber o nome, por favor indique nos comentários que corrigirei. 

Incrustada na Mantiqueira, essa subida parte rumo a Marmelópolis e a uma das regiões mais altas do país, que também abriga o Pico dos Marins e o Pico do Itaguaré. A possibilidade de ir pedalando até Delfim Moreira é tentadora, pois a partir de lá também se encontrarão outras subidas bastante íngremes e presentes na lista, além de ser de beleza extraordinária. 

Outro fator que chama atenção na subida é seus mais de 1700 metros de altitude máxima em relação ao nível do mar, o que a coloca entre as mais altas de nosso Guia.


18ª - Subida em Riozinho (RS)

Cachoeira_do_Chuvisqueiro_vista_de_longe
Outro destaque:
  • 2ª subida mais difícil do Rio Grande do Sul
Acesso:

Cidade

Riozinho

Estado

SC

Distância

13,71km

Inclinação média

5,50%

Ganho de elevação

754m

Superfície

Terra

Altitude máxima

852m

Pontuação

21,60

A subida de número 18 de nossa lista, e de número 2 do Rio Grande do Sul, traz uma curiosidade. Isso porque a também gaúcha colocada de número 12, sobe exatamente a mesma serra, porém pelo outro lado, via Barra do Ouro.

O resultado não poderia ser muito diferente: 13,7 quilômetros em uma dura subida de terra que alcança 850 metros de altitude em relação ao nível do mar, subindo por mais de 750 metros.

O trecho com 5,5% de inclinação possibilita um pedal interessante de Gravel Bike, utilizando a serra tanto como subida quanto como descida. Mesmo assim ,a recomendação para ir de MTB segue.


19ª - Pico do Lopo (Joanópolis - SP)

1024px-Pico_do_Lopo_21

Foto: Ederson Ladeira da Silva

Cidade

Joanópolis

Estado

SP

Distância

8,00km

Inclinação média

9,71%

Ganho de elevação

777m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1639m

Pontuação

21,43

Estamos chegando ao final do Top 20, porém novamente na Serra da Mantiqueira. Desta vez para o belíssimo Pico do Lopo Joanópolis-SP e Extrema-MG.

A trilha a pé para o Pico começa pelo lado mineiro. Inclusive há uma outra estrada que sobe por Minas - e que também está na lista. Porém por ser em paralelepípedos, e não em terra, acaba perdendo algumas posições. A subida que vem de Joanópolis é de uma dureza enorme. São 8km com quase 10% de inclinação, chegando ao alto do morro já na casa de 1600 metros de altitude.

Além de abrigar a subida ao Lopo, Joanópolis é uma joia rara para cicloturismo e mountain bike. A partir de lá há a estrada (de asfalto) para a Cachoeira dos Pretos, uma das maiores do Estado com 150 metros de queda.

Continuando na estrada da Cachoeira dá para acessar os distritos de Monte Verde-MG e São Francisco Xavier-SP. O caminho para São Francisco tem inclusive uma das subidas mais difíceis do Brasil e aparece no ranking.

Para quem tem menos tempo, uma ideia é chegar via Fernão Dias, subir pelo lado de São Paulo e descer pelo lado de Minas, dando um excelente percurso de um dia com muito morro.

Vale ressaltar também que a rota passa uma parte em Minas Gerais, porém o maior trecho e o início da subida é em São Paulo,terminando bem na divisa dos dois estados.


20ª - Serra do Rio do Rastro (Lauro Müller - SC)

fernando cintra pedalando na serra do rio do rastro bicicleta laranja
Outros destaques:
  • 2ª subida mais difícil de asfalto no Brasil
  • 2ª subida mais popular do Ranking
Acesse: 

Cidade

Lauro Müller

Estado

SC

Distância

13,92km

Inclinação média

6,78%

Ganho de elevação

944m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

1381m

Pontuação

21,43

E para fechar o top 20 das subidas mais difíceis do Brasil temos a famosíssima Serra do Rio do Rastro. Famosíssima mesmo, pois se ficou em 20º lugar no ranking de dificuldade, no
ranking de popularidade é a segunda, apenas atrás da Serra de Luminosa. 

Mas não é só isso que chama atenção em nossa vigésima colocada. Além do seus quase 14 quilômetros de extensão e mais de 900 de ganho de elevação, a Serra do Rio do Rastro é a segunda subida de asfalto mais difícil do Brasil. Se fosse de terra, tomaria o 11º posto.

Famosa por suas curvas que serpenteiam a subida a subida também abriga o tradicional Desafio da Serra do Rio do Rastro. São centenas e centenas de inscritos no evento que geralmente acontece em Novembro.

Eu tive a oportunidade de participar do desafio em 2019 (inclusive, sou eu na foto acima). Tem um relato completo sobre a subida da Serra do Rio do Rastro aqui no meu site.

Para quem vai até Santa Catarina especialmente para isso, uma boa ideia é participar do evento e ficar por lá. A Serra Catarinense abriga outras subidas que já vimos aqui no Ranking e está repleta de oportunidades de Cicloturismo.


Da 21ª a 50ª

E é aqui que fechamos as 20 subidas mais difíceis do Ranking. A partir desta seção, farei alguns comentários em apenas algumas das subidas.

Então sem mais delongas, vamos em frente! Ou melhor, acima!


21ª - Morro do Schmidt (Pomerode - SC)

Cidade

Pomerode

Estado

SC

Distância

7,98km

Inclinação média

9,74%

Ganho de elevação

777m

Superfície

Terra

Altitude máxima

874

Pontuação

21,43


22ª - Subida em Afonso Cláudio* (ES)

*Não encontrei o nome usado para se referir a esta subida. Se souber seu nome, por favor, me escreva nos comentários no final da página.

Outro destaque
  • Subida mais difícil do ES

Cidade

Afonso Cláudio

Estado

ES

Distância

9,58km

Inclinação média

7,85%

Ganho de elevação

752m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1093

Pontuação

21,10


23ª - Morro Grande* (Rolante - RS)

*Não tenho certeza se esse é o nome real da subida. Por favor, me escreva nos comentários no final da página se for outro.

Outro destaque
  • 3ª subida mais difícil do RS

Cidade

Rolante

Estado

RS

Distância

12,8km

Inclinação média

5,63%

Ganho de elevação

720m

Superfície

Terra

Altitude máxima

829

Pontuação

20,82


24ª - Serra da Água Limpa* (Itajubá -MG)

* Mais uma que não tenho certeza. Se quiser confirmar, por favor, escreva nos comentários.

Cidade

Itajubá

Estado

MG

Distância

8,29km

Inclinação média

8,93%

Ganho de elevação

740m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1606m

Pontuação

20,72


25ª - Subida do Bairro Vila Maria (Piranguçu - MG)

Tive a oportunidade de passar por essa subida duas vezes. Uma de bike e outra de carro. O trajeto é a absolutamente lindo. Chegando ao topo você se depara com a deslumbrante Represa Vila Maria, além de passar pelo pórtico de São Bento do Sapucaí. Ao chegar no asfalto, é possível ir pela direita sentido São Bento e Pedra do Baú ou virar a esquerda sentido Campos do Jordão. Vale a viagem! 

Cidade

Piranguçu

Estado

MG

Distância

10,15km

Inclinação média

6,9%

Ganho de elevação

978m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1608m

Pontuação

20,5


26ª - Subida Goiapaba-Açú (Fundão - ES)

Outro destaque:
  • 2ª subida mais difícil do ES

Cidade

Fundão

Estado

ES

Distância

6,38km

Inclinação média

11,5%

Ganho de elevação

734m

Superfície

Terra

Altitude máxima

813m

Pontuação

20,39


27ª - Subida para Bragança (Santa Leopoldina - ES)

Outro destaque:
  • 3ª subida mais difícil do ES

Cidade

Santa Leopoldina

Estado

ES

Distância

10,98km

Inclinação média

6,35%

Ganho de elevação

697m

Superfície

Terra

Altitude máxima

873m

Pontuação

20,08


29ª - Serra da Leoa/Morro dos 80 (Ascurra - SC)

Cidade

Ascurra

Estado

SC

Distância

6,44km

Inclinação média

11,10%

Ganho de elevação

715m

Superfície

Terra

Altitude máxima

827m

Pontuação

20,02


30ª - Subida do Charco (Wenceslau Braz)

Cidade

Wenceslau Braz

Estado

MG

Distância

11,01km

Inclinação média

6,26%

Ganho de elevação

689m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1764m

Pontuação

20,01


31ª - Subida para Teresópolis (Teresópolis - RJ)

Acesse:
  • Terceira subida mais difícil toda em asfalto no Brasil

Cidade

Teresópolis

Estado

RJ

Distância

15,12km

Inclinação média

5,73%

Ganho de elevação

866m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

1764m

Pontuação

20,00


32ª - Caminho dos Anjos (Aiuruoca - MG)

Cidade

Aiuruoca

Estado

MG

Distância

15,12km

Inclinação média

6,72%

Ganho de elevação

689m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1893m

Pontuação

19,92


33ª - Subida do Monjolo (Baixo Guandu - ES)

Cidade

Aiuruoca

Estado

MG

Distância

15,12km

Inclinação média

6,72%

Ganho de elevação

689m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1893m

Pontuação

19,92


34ª - Rod. Oswaldo Cruz (Ubatuba - SP)

Outro Destaque
  • 4ª subida mais difícil inteira em asfalto

Cidade

Ubatuba

Estado

SP

Distância

7,01

Inclinação média

12,74%

Ganho de elevação

893m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

978m

Pontuação

19,64


35ª - Subida do Cristo por trás (Poços de Caldas- MG)

Essa subida para o Morro do Cristo em Poços não é a que vem da cidade, mas sem a que vem de trás. Essa subida coincide com o trecho final da Rota do Vulcão, que eu tive o prazer de realizar na semana de sua inauguração, em 2021.

Cidade

Poços de Caldas

Estado

MG

Distância

8,90km

Inclinação média

7,65%

Ganho de elevação

681m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1621m

Pontuação

19,61


37ª - Volta de Castelhanos (Ilhabela - MG)

O caminho para Castelhanos aparece duas vezes no Guia. A primeira delas é essa, que diz respeito à volta para a cidade. A segunda, evidentemente, é a do caminho de ida.

Cidade

Ilhabela

Estado

SP

Distância

8,31km

Inclinação média

8,21%

Ganho de elevação

682m

Superfície

Terra

Altitude máxima

695m

Pontuação

19,56


38ª - Estrada do Rio do Júlio (Jaraguá do Sul - SC)

O caminho para Castelhanos aparece duas vezes no Guia. A primeira delas é essa, que diz respeito à volta para a cidade. A segunda, evidentemente, é a do caminho de ida.

Cidade

Jaraguá do Sul

Estado

SC

Distância

9,78km

Inclinação média

6,86%

Ganho de elevação

671m

Superfície

Terra

Altitude máxima

738m

Pontuação

19,51


39ª - Subida em Rio Claro* (RJ)

*Não encontrei o nome da subida.

Cidade

Rio Claro

Estado

RJ

Distância

7,39km

Inclinação média

9,26%

Ganho de elevação

684m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1218m

Pontuação

19,509


40ª - Serra do Ipiranga (Rodeio - SC)

Cidade

Rodeio

Estado

SC

Distância

8,28km

Inclinação média

8,20%

Ganho de elevação

679m

Superfície

Terra

Altitude máxima

771m

Pontuação

19,504


41ª - Subida em Mendanha* (Rio de Janeiro - RJ)

*Mais uma subida que não consegui encontrar o nome.

Cidade

Rio de Janeiro

Estado

RJ

Distância

7,58km

Inclinação média

9,01%

Ganho de elevação

683m

Superfície

Terra

Altitude máxima

736m

Pontuação

19,502


42ª - Morro da Pedra Branca (Jaraguá do Sul - SC)

Cidade

Jaraguá do Sul

Estado

SC

Distância

6,98km

Inclinação média

9,83%

Ganho de elevação

686m

Superfície

Terra

Altitude máxima

735m

Pontuação

19,502


43ª - Subida em Passa Quatro 2* (MG)

*Não encontrei o nome usado para se referir a esta subida. Não confundir com a 17a colocada, também de Passa Quatro (que também não encontrei o nome...)

Cidade

Passa Quatro

Estado

MG

Distância

8,71km

Inclinação média

7,75%

Ganho de elevação

675m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1641m

Pontuação

19,47


44ª - Serra do Umbú (Maquiné - RS)

Cidade

Maquiné

Estado

RS

Distância

7,79km

Inclinação média

8,73%

Ganho de elevação

680m

Superfície

Terra

Altitude máxima

820m

Pontuação

19,47


45ª - Subida em Aldeia Velha (Jardim Silva - RJ)

Cidade

Silva Jardim

Estado

RJ

Distância

8,05km

Inclinação média

8,42%

Ganho de elevação

678m

Superfície

Terra

Altitude máxima

745m

Pontuação

19,45


46ª - Serra de Nova Friburgo (Cachoeiras do Macacu- RJ)

Outro Destaque
  • Quinta subida em asfalto mais difícil do Brasil

Cidade

Cach. do Macacu

Estado

RJ

Distância

16,22km

Inclinação média

5,13%

Ganho de elevação

832m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

1088m

Pontuação

19,44


47ª - Ida a Castelhanos* (Ilhabela - SP)

*Lembrando que esse segmento é o de ida até o outro lado da Ilha. O de volta já apareceu.

Cidade

Ilhabela

Estado

SP

Distância

10,54km

Inclinação média

6,28%

Ganho de elevação

662m

Superfície

Terra

Altitude máxima

670m

Pontuação

19,41


48ª - Subida na Serra da Canastra* (S. J. Batista do Glória - MG)

*No sopé da Serra da Canastra, o Glória tem diversas subidas que rumam Serra adentro. Eu não consegui descobrir o nome dessa especificamente. Se você souber, por favor, comente abaixo

Cidade

S. J. Batista do Glória

Estado

MG

Distância

11,28km

Inclinação média

5,82%

Ganho de elevação

656m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1359m

Pontuação

19,37


49ª - Goiapaba-Açu 2* (Fundão - ES)

*Já vimos uma subida em Goiapaba-Açu no ranking, na 26a posição. Essa aqui, no entanto, vira à esquerda na bifurcação. Também não consegui encontrar o nome pelo qual é chamada.

Cidade

Fundão

Estado

ES

Distância

10,25km

Inclinação média

6,30%

Ganho de elevação

646m

Superfície

Terra

Altitude máxima

837m

Pontuação

19,06


50ª - Bertioga/Mogi (Bertioga - SP)

Outro destaque:
  • Sexta subida em asfalto mais difícil do Brasil

Cidade

Bertioga

Estado

SP

Distância

14,70km

Inclinação média

5,58%

Ganho de elevação

820m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

829m

Pontuação

19,03


Da 51ª a 100ª

Fechamos assim as 50 subidas mais difíceis do Ranking e começamos a desbravar da 51ª à 100ª subida. 

Se você esteve acompanhando a pontuação de cada subida até agora, deve ter notado que o ranking começa a ficar quase empatado algumas vezes. Certas subidas eu tive que usar a terceira casa decimal para desempatar. 

Daqui em diante isso tente a acontecer mais e mais. Não estranhe se a pontuação for realmente muito parecida (ou muitas vezes igual).


51ª - Morro Azul (Timbó - SC)

Cidade

Timbó

Estado

SC

Distância

7,95km

Inclinação média

8,21%

Ganho de elevação

653m

Superfície

Terra

Altitude máxima

744m

Pontuação

18,94


52ª - Bicuda Pequena* (Macaé- RJ)

*Não encontrei o nome exato desta subida.

Cidade

Macaé

Estado

RJ

Distância

8,52km

Inclinação média

7,62%

Ganho de elevação

649m

Superfície

Terra

Altitude máxima

731m

Pontuação

18,93


53ª - Subida do Big Biker* (Campos do Jordão - SP)

*Não encontrei o nome exato desta subida. O nome "Big Biker", para quem não é da região, é de uma grande competição de Mountain Bike que acontece na região desde 2001

Cidade

Campos do Jordão

Estado

SP

Distância

7,91km

Inclinação média

8,23%

Ganho de elevação

651m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1729m

Pontuação

18,90


54ª - Serra para Brastel (Bananal - SP)

Outro destaque:
  • 7ª subida em asfalto mais difícil do Brasil
Acesse:

Cidade

Bananal

Estado

SP

Distância

11,24km

Inclinação média

7,37%

Ganho de elevação

828m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

1567m

Pontuação

18,87


55ª - Santuário da Piedade (Caeté - MG)

Outro destaque:
  • 8ª subida em asfalto mais difícil do Brasil
Acesse:

Cidade

Caeté

Estado

MG

Distância

13,74km

Inclinação média

5,95%

Ganho de elevação

817m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

1788m

Pontuação

18,81


56ª - Estrada Rio Natal (São Bento do Sul - SC)

Cidade

São Bento do Sul

Estado

SC

Distância

10,31km

Inclinação média

6,14%

Ganho de elevação

633m

Superfície

Terra

Altitude máxima

850m

Pontuação

18,81


57ª - Subida para Santa Lúcia do Piaí* (Caxias do Sul - RS)

*Não encontrei o nome exato.

Cidade

Caxias do Sul

Estado

RS

Distância

7,76km

Inclinação média

8,32%

Ganho de elevação

646m

Superfície

Terra

Altitude máxima

744m

Pontuação

18,78


58ª - Serra da Paciência (Cristina - MG)

Cidade

Cristina

Estado

MG

Distância

5,76km

Inclinação média

11,37%

Ganho de elevação

655m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1663m

Pontuação

18,74


59ª - Morro da Igreja (Urubici - SC)

Outro destaque
  • 9ª subida em asfalto mais difícil do Brasil
Acesse:

Cidade

Urubici

Estado

SC

Distância

14,16km

Inclinação média

5,69%

Ganho de elevação

806m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

1691m

Pontuação

18,69


60ª - Morro dos Perdidos (Tijucas do Sul - PR)

Cidade

Tijucas do Sul

Estado

PR

Distância

5,17km

Inclinação média

12,61%

Ganho de elevação

652m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1356m

Pontuação

18,61


61ª - Serra do Frade (Macaé/Trj. de Morais - RJ)

Outro destaque
  • 10ª subida em asfalto mais difícil do Brasil
Acesse:

Cidade

Macaé

Estado

RJ

Distância

13,74km

Inclinação média

5,83%

Ganho de elevação

801m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

853m

Pontuação

18,55


62ª - Bairro do Egito (Antônio Carlos - SC)

Cidade

Antônio Carlos

Estado

SC

Distância

9,61km

Inclinação média

6,46%

Ganho de elevação

621m

Superfície

Terra

Altitude máxima

697m

Pontuação

18,49


63ª - Serra da Paulista pela terra (S. J. da Boa Vista -
SP)

Cidade

S. J. da Boa Vista

Estado

SP

Distância

11,94km

Inclinação média

5,80%

Ganho de elevação

697m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1429m

Pontuação

18,44


64ª - Morro dos Müller (Antônio Carlos - SC)

Cidade

Antônio Carlos

Estado

SC

Distância

6,23km

Inclinação média

10,0%

Ganho de elevação

623m

Superfície

Terra

Altitude máxima

713m

Pontuação

18,15


65ª - Serra de Piquete (Piquete - SP)

Cidade

Piquete

Estado

SP

Distância

15,04km

Inclinação média

5,15%

Ganho de elevação

774m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

1354m

Pontuação

18,15


66ª - Pico do Lopo 2* (Extrema - MG)

*Não confundir com a 19a colocada que também sobe o Lopo. A número 1, no entanto, vem por Joanópolis - SP.

Cidade

Extrema

Estado

MG

Distância

7,29km

Inclinação média

9,78%

Ganho de elevação

713m

Superfície

Misto

Altitude máxima

1636m

Pontuação

18,07


67ª - Estrada da Graciosa* (Morretes - PR)

*Esse é o lado da serra que sobe de Morretes para Curitiba.

Cidade

Morretes

Estado

PR

Distância

10,18km

Inclinação média

6,79%

Ganho de elevação

691m

Superfície

Misto

Altitude máxima

877m

Pontuação

17,95


68ª - Serra Grande (Igrejinha - RS)

É importante reforçar que boa parte da subida é de asfalto e o trecho final de terra (até a data da publicação do Guia, pelo menos).

Cidade

Igrejinha

Estado

RS

Distância

8,94km

Inclinação média

7,79%

Ganho de elevação

696m

Superfície

Misto*

Altitude máxima

722m

Pontuação

17,91


69ª - Pedra Grande (Atibaia - SP)

Minha cidade natal. Provavelmente a subida que eu mais percorri de bike nesse guia todo - e mesmo assim não tenho quase nenhuma foto desses pedais.

Cidade

Atibaia

Estado

SP

Distância

6,86km

Inclinação média

8,83%

Ganho de elevação

606m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1391m

Pontuação

17,88


70ª - Miguel Pereira* (Rancho Queimado - SC)

*Não encontrei o nome exato.

Cidade

Rancho Queimado

Estado

SC

Distância

11,05km

Inclinação média

5,26%

Ganho de elevação

581m

Superfície

Terra

Altitude máxima

843m

Pontuação

17,85


71ª - Serra da Bela Joana (São Fidélis - RJ)

Cidade

São Fidélis

Estado

RJ

Distância

7,71km

Inclinação média

7,76%

Ganho de elevação

598m

Superfície

Terra

Altitude máxima

668m

Pontuação

17,82


72ª - Subida em Jaraguá do Sul* (Jaraguá do Sul - SC)

*Mais uma que não encontrei o nome exato.

Cidade

Jaraguá do Sul

Estado

SC

Distância

5,77km

Inclinação média

10,40%

Ganho de elevação

600m

Superfície

Terra

Altitude máxima

744m

Pontuação

17,64


73ª - Subida do Rio Bello (Caxias do Sul - RS)

Cidade

Caxias do Sul

Estado

RS

Distância

7,79km

Inclinação média

7,55%

Ganho de elevação

588m

Superfície

Terra

Altitude máxima

642m

Pontuação

17,63


74ª - Serra do Pinto (Terra de Areia - RS)

Cidade

Terra de Areia

Estado

RS

Distância

10,86km

Inclinação média

7,01%

Ganho de elevação

761m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

901m

Pontuação

17,43


75ª - Pico Agudo (Santo Antônio do Pinhal - SP)

Cidade

S. A. do Pinhal

Estado

SP

Distância

8,02km

Inclinação média

7,13%

Ganho de elevação

572m

Superfície

Terra

Altitude máxima

1607m

Pontuação

17,33


76ª - Serra do Paiol (São Bento do Sapucaí - SP)

Cidade

S. B. do Sapucaí

Estado

SP

Distância

7,19km

Inclinação média

10,78%

Ganho de elevação

775m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

1589m

Pontuação

17,33


77ª - Subida na BR-277* (Morretes - PR)

* É uma subida em rodovia, porém não sei se tem algum nome especial na região.

Cidade

Morretes

Estado

PR

Distância

14,04km

Inclinação média

5,16%

Ganho de elevação

725m

Superfície

Asfalto

Altitude máxima

860m

Pontuação

17,06


78ª - Serra do Trovão (Ouro Preto - MG)